Dermatoscopia: um exame para o diagnóstico precoce de câncer de pele

 

O que é?

A dermatoscopia é a análise de lesões de pele feita com um instrumento chamado dermatoscópio.

O dermatoscópio é um microscópio de superfície que nos permite ver as lesões da pele com aumento de 10 até 70 vezes. Com o auxílio do dermatoscópio conseguimos enxergar detalhes das lesões que são invisíveis a olho nu.

A dermatoscopia foi criada para ajudar os médicos a avaliarem se sinais ou pintas são benignos, suspeitos ou malignos.

Hoje também é utilizada para avaliação de outros tipos de lesão dermatológica e para diagnóstico e avaliação de diversas enfermidades.

Quando está indicada a dermatoscopia?

A dermatoscopia pode ser indicada para a avaliação de qualquer sinal suspeito clinicamente.

Também é recomendada para pacientes com múltiplos sinais, principalmente se tiverem história (pessoal ou familiar) de câncer da pele.

A dermatoscopia ainda serve para que possamos acompanhar sinais ao longo do tempo e decidirmos quando e se ele precisa ser retirado.

Como é feito o exame?

A dermatoscopia é um exame não invasivo. Não dói, não sangra e não envolve agulhas.

Na dermatoscopia de contato, umedece-se a pele com óleo ou gel e posiciona-se o aparelho sobre a pele. O médico olha dentro do visor do aparelho e analisa a lesão segundo alguns critérios já estabelecidos.

Na dermatoscopia  de luz polarizada o exame pode ser feito sem o contato do aparelho com a pele.

Existem vários tipos de dermatoscópio. Manuais e digitais. Muitos destes aparelhos nos permitem fotografar e capturar imagens destas lesões para que possamos analisá-las com maior rigor e para que possamos comparar as imagens da mesma lesão no decorrer de meses ou anos.

Quais a vantagens da dermatoscopia?

A dermatoscopia nos permite fazer o diagnóstico mais precoce do câncer de pele.

Auxilia no diagnóstico se o sinal é benigno, suspeito ou maligno.

Evita biópsias desnecessárias, pois podemos acompanhar a evolução dos sinais benignos ao invés de retirá-los.

This entry was posted in Câncer da pele, Uncategorized. Bookmark the permalink.